Zeca Camargo me acha otária

O recepcionista do hotel em que estou hospedada em Roma quer desesperadamente falar português. Quando me vê passar pelo corredor que leva até o elevador, sai correndo de trás do balcão e grita “Bom dia, como stai?”. Por medo de constrangê-lo, eu nunca o corrijo, o que é bem idiota, já que eu quero desesperadamente falar italiano e espero que as pessoas me avisem quando eu falar algo errado. Em minha primeira noite, saí para jantar em um restaurante próximo ao hotel, e fiz todo meu pedido em italiano: um prato esquisito de frango coberto com presunto e uma garrafa de água – meio litro.

Na hora de pagar, esqueci-me da palavra em italiano para conta. Perguntei pra garçonete. Sem me responder, ela me trouxe um pedaço de papel rasgado, sentou-se na cadeira em frente a minha, apontou para o pedaço de papel, e falou, em tom imperativo: “Il conto”. Apontou então para a mesa: “La tavola”. Para meus talheres: “coltello e forchetta!”. Talvez ela estivesse sendo irônica, mas achei aquilo muito querido.

Eu ando pelas ruas de Roma olhando para cima, para as placas antigas de hotéis, para os pequenos prédios cobertos de hera e para as senhorinhas entediadas apoiadas na janela. Acho que devo parecer uma criança de cinco anos com minha bolsa pendurada a tiracolo, porque por três vezes fui parada por velhinhos querendo me ajudar a encontrar algo no mapa, o qual carrego sempre espremido na mão esquerda, mas escondido sob a manga do casaco. Em minha conta de Instagram, vejo que o Zeca Camargo está na cidade, tirando selfies nos mesmos lugares em que estive há poucas horas. Ele começou a me seguir há cerca de um mês, e eu prontamente acreditei se tratar de uma conta fake. Só soube que era o próprio quando um amigo visualizou um like do apresentador em uma foto minha, e me mandou uma mensagem em caixa alta no whatsapp: COMO ASSIM O ZECA CAMARGO TE CURTE?

Não sei. Mas passei a curtir o Zeca também. Nas últimas três semanas, Zeca esteve na Jordânia, em Paris, e agora está em Roma. No mesmo intervalo de tempo, eu estive em Canoinhas, em Goiânia, e agora estou em Roma. Estou em Roma há dois dias e ainda não comi nem massa, nem pizza. Também não tomei sorvete. Antes de vir pra cá, perdi um bom tanto de peso, e a primeira coisa que as pessoas diziam ao saber que eu viria pra Itália era “ai, cuida pra não engordar tudo de novo, pensa só que dó!”. Quando ouvia algo similar, pensava comigo mesma que aquilo era de uma idiotice sem tamanho, imagina só, fazer dieta na Itália, que coisa de gente otária. Mas agora me flagro olhando fixamente para menus e procurando o item com menor teor de carboidrato possível.

Ao perceber o que eu estava fazendo, uma senhora alemã em um restaurante deu dois tapinhas bem pesados em meu ombro e contou algo sobre a irmã dela ter emagrecido vinte quilos por alguma doença gravíssima. Acho que a moral da história era a de que eu estava mesmo sendo otária, e ela arrematou com um “drink some wine and forget about the calories”, com os “tês” muito bem pronunciados, como vemos em paródias por aí. Eu não queria ser otária, então bebi o vinho, mas após a terceira taça, já não queria saber nem de massa, nem de sorvete, só foquei em não me perder em meu trajeto de volta ao hotel.

No instagram, Zeca Camargo posta uma foto do Coliseu. Arrisco: “Zeca, também estou em Roma, vamos marcar uma corridinha em alguma praça com nome de santo, tem comida demais nessa cidade”. Zeca não me responde. Deve estar me achado otária. Certamente está comendo duas fatias de pizza muito alegre em alguma esquina por aí. Zeca não é otário.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s