Milão e eu

 

Milão, ❤

A post shared by Julliana Bauer (@jullianabauer) on

 

Milão não é uma daquelas cidades que tenham me causado amor à primeira vista. Na verdade, nas três vezes em que a visitei, tive que me esforçar para procurar coisas que gostasse na cidade, tão grande e urbana, onde turistas se enfileiram para usar o banheiro McDonald´s e homens parecem competir pelo prêmio de cabelo mais estiloso. Meu descaso com a cidade sempre revoltou Nicco, que em nosso primeiro passeio pelos canais de Navigli, não conseguia disfarçar que preferia que eu tivesse mentido por educação e dito que Milão era a cidade mais incrível que já havia conhecido.

“É um pouco como São Paulo”, ele tentava argumentar, gesticulando em desespero ao me ouvir rebater que detesto São Paulo. Percebi que deveria reconhecer o esforço do rapaz para trazer uma referência mais próxima da minha realidade para tentar despertar em mim alguma ternura pela cidade que ele havia escolhido para viver, tão longe daquela em que nasceu, no sul da Itália. Nicco tinha um melhor amigo e colega de quarto que também se chamava Nicco. Juntos, eram o estereótipo do homem milanês, sempre vestidos com roupas alinhadíssimas. Mas nenhum dos dois eram nascidos ali. A verdade é que ambos endeusavam o estilo de vida que lhes era propiciado pela cidade e por seus empregos, então saíam para comer caviar e outras gororobas elitizadas em festas povoadas de jovens de 30 e poucos anos em que a temática escolhida era “crise” – ironicamente, é claro. Fotografar os rótulos dos vinhos que custavam um salário mínimo em um país em desenvolvimento era obrigatório nessas festas, bem como fazer fotos que mostrassem os looks completos dos convidados – sapatos Dolce&Gabbana nas mulheres, sempre muito magras, e mocassins e paletós nos rapazes.

Nicco me perguntou por que eu não tinha amigas italianas. Respondi que não sabia, mas que as italianas não se interessavam muito por mim, então eu passei a também não me interessar por elas. Sempre as achei  até elegantes, com suas roupas em cores sóbrias e sapatos impecáveis, mas aquele ar de superioridade, ainda mais forte nas milanesas, não me intimidava. Sororidade ainda não era um tema recorrente por lá. Meu maior pavor era o de começar a achar bonitas as sobrancelhas que estavam na moda entre as italianas – muito finas e arqueadas, por isso eu evitava salões de beleza. Contei que eu até tinha tentado fazer amizade com Alessandra, uma advogada que dividia apartamento comigo em Florença, mas que a nossa relação tinha tomado um caminho amargo quando ela retirou minhas roupas ainda úmidas do varal para pendurar as calcinhas dela no lugar. Ele riu e disse que ia me arranjar algumas amigas italianas, mas isso nunca aconteceu.

Milão é uma daquelas cidades onde é preciso morar para aprender a amar, argumentei a Nicco – assim como São Paulo. Um passeio pelos pontos turísticos não basta, jantar em um restaurante da moda também não. É preciso viver a cidade, fazer amigos nela, descobrir lojas e bares que se adequem ao seu gosto e memorizar as linhas de metrô. Caso contrário, você não a entenderá, se sentirá um caipira nela no momento em que sai da Estação Central e se depara com aquelas ruas todas iguais que levam a ruas menores com outdoors da Valentino. É preciso encontrar algo que te leve a São Paulo, é preciso encontrar algo que te leve a Milão, e no momento, a única coisa que me traz a Milão é você, Nicco.

Nicco sempre falava comigo um pouco devagar, se certificando de pronunciar muito bem cada palavra, e por vezes arriscava um pouco de português. “Ax mininax de Minaix Geraix” era uma frase cantadinha recorrente, porque sua noção de música brasileira era  Jammil e Uma Noites e aparentemente ele tinha feito seis meses de aulas de português com uma professora carioca quando ainda estava na faculdade. Não é como se ele achasse que eu era burra ou algo assim. O argumento dele era que eu precisava praticar meu italiano e que o inglês dele andava enferrujado. Ele me perguntava sobre a situação política e econômica brasileira, sobre os meus livros preferidos e sobre Cuba – cidade que ambos visitamos no mesmo ano, antes de nos conhecermos. Quando eu ocasionalmente o convidava a largar o apê em Milão para viver como hippie comigo em uma praia colombiana, ele me dava lições de moral sobre o capitalismo e como ele é benéfico e bem sucedido quando há igualdade. Mas onde há igualdade, Nicco?

Apesar das extravagâncias, Nicco e Nicco eram pessoas modestas. Tentei ponderar que eles vinham de uma realidade muito diferente da minha, não de um país onde organizar encontros para comer caviar antes dos 35 anos fosse considerado algum tipo de ofensa social – talvez apenas um pouco cafona. O apartamento que dividiam no centro de Milão era pequeno e simples, com aquelas características comuns a apartamentos habitados por homens: louças descombinadas, copos lascados e uma cortina manchada pelo sol viviam tristes na mesma sala de TV, onde os dois recebiam convidados todos os domingos para almoços feitos em casa. O box do banheiro era minúsculo, desproporcional ao restante de espaço que sobrava ao redor e que permitia que uma ginasta fizesse um espacate entre a pia e a privada sem temer bater o dedinho do pé em algum móvel. No lugar de cama, Nicco tinha apenas um colchão no chão, onde deixava sempre à mão uma garrafa de água de dois litros e o carregador do celular. Eu nunca perguntei, mas sabia que o aluguel devia custar uma pequena fortuna.

Ele me disse que gostava de sair comigo porque me achava divertida, e como foi a primeira vez que alguém usou esse adjetivo para me descrever, resolvi acreditar. Quer dizer, já tinham me dito que me achavam engraçada, mas divertida tinha sido a primeira vez. Comentei isso com Nicco em um bar escolhido por ele, onde cada drink custava inacreditáveis doze euros. Ele se levantou para buscar nossos Amaretto Sours que tinham ficado prontos e, quando retornou, deu um gole, pousou o copo sobre a mesa e disse que talvez eu e Milão tivéssemos isso em comum: talvez fosse necessário viver um pouco em nós para captar o que nós realmente tínhamos a oferecer além de nossas aparências, e talvez fosse por isso que eu e ela – a cidade – não tivéssemos nos dado bem logo de cara. Nós, mulheres, por vezes nos estranhamos quando reconhecemos uma na outra as mesmas características. Acho que a frase não tem exatamente o impacto que ele tinha em mente quando a formulou naqueles quarenta segundos em que se ausentou para buscar as bebidas, mas mesmo assim, aceitei a analogia como um elogio.

 

Anúncios